Essa é uma pergunta que eu recebo bastante: Quanto ganha um Advogado Desportivo?

Os ganhos de um advogado desportivo podem variar significativamente com base em diversos fatores, incluindo sua experiência, reputação, pro-atividade, além dos tipos de nichos explorados e dos clientes que atender.

O advogado desportivo tradicional pode atuar com diversas modalidades esportivas e cada uma tem a sua peculiaridade, como o vôlei, futebol, basquete, bilhar, tênis entre outras modalidades.

Essas modalidades tradicionais, via de regra, não são rentáveis e não trazem remuneração expressiva ao advogado, exceto àquele que atua com esportes já consagrados, como o futebol, que possuem, em determinadas transações, altos valores envolvidos.

Mesmo assim, o futebol é eletivo, seletivo e poucos advogados conseguem ter êxito e ganham bem, pois é uma modalidade fechada e existem apenas 700 times no Brasil e apenas 20 deles se destacam e, consequentemente, poucos profissionais conseguem boa remuneração. A maioria dos advogados que atua com os esportes tradicionais acabam atuando em outras áreas do direito também, pois não o mercado esportivo tradicional não é suficiente.

Esses advogados também concorrem, muitas vezes, com outros profissionais não formados na área jurídica, mas que, vez ou outra, fazem serviços que também são prestados pelo advogado, como os agentes esportivos, por exemplo, que prestam serviços de intermediação e transações de jogadores, e ficam responsáveis por fazer os próprios contratos, diminuindo, assim, a atuação do advogado desportivo.

De outro lado, em comparação com os esportes eletrônicos, o advogado que atua nos eSports praticamente não tem concorrência, pois a modalidade é nova e pouquíssimos advogados compreendem a lúdica tecnologia que se desenvolveu no entretenimento esportivo.

Isso faz o advogado esportivo eletrônico ter atuação ampla e diferenciada, e que não se limita a um jogo, como o futebol, por exemplo. Nos esportes eletrônicos existem, por exemplo, centenas de jogos de tiro que são competitivos. Cada um desses jogos podem ter centenas de torneios independentes com premiações variadas. Depois, temos mais centenas de jogos de estratégia que seguem o mesmo raciocínio. Depois, centenas de jogos de battle royale. E por aí vai.

Em suma, existem milhares de títulos de jogos eletrônicos competitivos com torneios independentes que são organizados com baixíssimo custo, mas permitem proporcionar altas premiações aos participantes. Para cada um desses jogos, existem centenas de milhares de times, e milhões de jogadores profissionais, assalariados, e outros autônomos, mas em situação de contratação irregular que precisam invariavelmente de assistência jurídica.

Esses números nos esportes eletrônicos são expressivos porque os eSports são inclusivos, de baixíssimo custo, e são praticados preponderantemente à distância da residência do próprio jogador. Os organizadores, de igual forma, não possuem custos elevados para organizar os eventos, pois são online. As competições que esses jogadores participam, por ser online, alcança o patamar global (transnacional) e não há limitação geográfica para sua prática e organização.

Fora isso, há torneios virtuais que acontecem diariamente e em larga escala (centenas de torneios por jogos) e isso permite a participação frequente e diária de times, jogadores e organizadores de torneios para competir e movimentar a economia da modalidade de esportes eletrônicos.

Portanto, os esportes eletrônicos não têm fronteiras e sua prática movimenta microrregiões pelo Brasil, pois há jogadores que residem nas menores cidades do Brasil e, desde que tenham acesso à internet e a um aparelho celular, podem jogar competitivamente.

Em geral, o advogado esportivo eletrônico tem, todos os dias, centenas de milhares de novas oportunidades de ter altos faturamentos apenas atuando para atletas, clubes e organizadores de torneios cujos serviços são ilimitados e vão desde serviços específicos como revisão de contratos, negociações salariais, representação legal em disputas, ações judiciais (cíveis, trabalhistas, empresariais, tributárias) e podem cobrar pelo serviço pontual, de forma mensal ou mesmo por hora de trabalho.

Há muitos advogados de esportes eletrônicos com remuneração expressiva especialmente quando trabalham na área contenciosa, pois podem receber uma porcentagem dos valores envolvidos em ações judiciais.

No âmbito extrajudicial o advogado de eSports pode receber por hora de trabalho, ou na execução de serviços como negociações contratuais, transações comerciais, honorários mensais para assessorar times (desde o registro de marca na fundação até as grandes transações e jogadores) entre outros.

Além disso, na medida em que a atuação do advogado de eSports vem sendo reconhecida pelo mercado os atletas famosos, streamers ou equipes esportivas de destaque chegam até você e geralmente isso representa a oportunidade de ganhar mais em comparação com aqueles que estão começando suas carreiras ou atendendo a clientes menos conhecidos.

É importante observar que as informações acima são apenas uma visão geral e que os ganhos específicos de um advogado esportivo podem variar consideravelmente, sendo que a pro-atividade é o fator determinante para se colocar no mercado.

Cabe ressaltar que além dos honorários pelos serviços prestados um advogado de esportes eletrônicos que se destaca no mercado também pode obter ganhos adicionais por meio de outras fontes, pois você pode ser procurado por empresas e marcas que desejam estabelecer parcerias e isso pode gerar receita adicional.

Um bom exemplo de fonte adicional de honorários é a participação do advogado em acordos comerciais nos esportes eletrônicos, pois na medida em que o advogado esportivo eletrônico se envolve em negociações contratuais e transações comerciais, ele pode negociar com times e atletas e ter participação nos lucros ou receitas futuras. Isso significa que o advogado pode receber uma porcentagem dos ganhos ou contratos que ajudou a negociar.

É comum depois de um tempo de atuação o advogado de esportes eletrônicos ser convidado para dar palestras, participar de conferências, ministrar aulas em universidades ou outras instituições educacionais, além de cursos e workshops relacionados ao direito esportivo eletrônico (eSports).

Há outras oportunidades que podem trazer uma exposição adicional e, em alguns casos, remuneração financeira direta ou indireta. Por exemplo, escrever artigos, livros ou colunas em revistas, jornais ou sites especializados em direito esportivo eletrônico. Além disso, pode conceder entrevista e participar como especialistas em programas de televisão, rádio ou podcasts.

Como se vê o advogado esportivo eletrônico pode ganhar altos honorários de acordo com a sua pro-atividade de mercado, e as oportunidades vão surgindo ao longo da carreira.

É essencial que o advogado esteja atento e não deixe de iniciar a sua atuação ainda enquanto esse cenário é desabitado.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *