É primordial ao advogado que deseja atuar com o direito gamer e dos esportes eletrônicos (eSports) que conheça a legislação e tenha prática na sua área de atuação. Mas de nada de adianta obter o título de doutor ou livro docente em direito e não compreender, minimamente, a existência dos diversos tipos de jogos eletrônicos, cada um com o seu gênero, suas características e mecânicas específicas.

Portanto, neste texto, o propósito não é trazer uma abordagem propriamente jurídica sobre os tipos de jogos, mas, sim, apresentar 10 (dez) dos principais gêneros de jogos eletrônicos que, para o advogado aspirante a Expert no cenário gamer e dos eSports, será definitivo para expandir o seu repertório.

(a) Jogos de Ação: jogos de ação geralmente têm foco intenso em combate e requerem movimentação rápida, e eles podem ser divididos em subgêneros como jogos de tiro em primeira pessoa (FPS), jogos de ação-aventura e jogos de luta, e muitos outros.

(b) Jogos de Aventura: os jogos de aventura costumam envolver a exploração, resolução de mistérios, quebra-cabeças ou narrativa e eles podem ser subdivididos em jogos de aventura gráfica, jogos de plataforma e jogos de mundo aberto.

(c) RPG (Role-Playing Game): são jogos caracterizados por particularidade própria e dão ênfase no desenvolvimento do personagem e da história, de modo que os jogadores assumem o papel do avatar e tomam decisões que afetam o enredo como um todo e as habilidades do personagem. Há subgêneros como RPG de ação, RPG tático e MMORPG (Massively Multiplayer Online Role-Playing Game) e muitos outros.

(d) Estratégia: os jogos de estratégia se desenvolvem na tomada de decisões táticas e de administração de recursos, de modo que eles podem ser divididos em jogos de estratégia em tempo real (RTS), jogos de estratégia por turnos e jogos de simulação.

(e) Esportes: são jogos muito consumidos no mundo e simulam uma variedade de modalidades de esportes, como futebol, basquete, corrida, entre outros, e são projetados para reproduzir as regras e a jogabilidade desses esportes. Hoje, esses jogos foram admitidos pelo Comitê Olímpico Internacional e são consideradas modalidades olímpicas.

(f) Quebra-cabeça: jogos de quebra-cabeça propõem ao jogador o desafio de resolver problemas lógicos e enigmas e podem variar desde os quebra-cabeças simples até desafios complexos de raciocínio.

(g) Jogos de Cartas e Tabuleiro: são jogos eletrônicos baseados em jogos de cartas ou jogos de tabuleiro tradicionais, como pôquer, xadrez ou dominó, mas são adaptados para o ambiente virtual.

(h) Simulação: os jogos de simulação reproduzem atividades da vida real, como pilotar aviões, dirigir veículos, construir cidades ou administrar uma fazenda e eles buscam recriar aspectos realistas dessas atividades.

(i) Jogos de Música: esses jogos são consumidos por público específico e envolvem a reprodução de instrumentos musicais ou a dança e o jogador de executar os ritmos musicais. São exemplos o Guitar Hero, Dance Dance Revolution e outros.

(j) Jogos de Realidade Virtual (VR): esses jogos se utilizam de tecnologia de realidade virtual para proporcionar uma experiência imersiva ao jogador, fazendo com que ele se sinta presente no ambiente do jogo.

Todos os 10 (dez) gêneros possuem centenas – quiçá milhares – de títulos de jogos, e todos eles podem, em tese, se tornar competitivos ou não, a depender da estratégia de mercado do desenvolvedor que pode, inclusive, modificar o jogo para adapta-lo.

 A diversidade de jogos eletrônicos é tão vasta que continua a evoluir à medida que a tecnologia avança, de modo que esses tímidos exemplos são aqui mencionados apenas para contribuir como advogado iniciante ao cenário gamer.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *